É o Meu Corpo



É o Meu Corpo

M. Debaisieux

1. Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar;
p’lo caminho da justiça nos ensina a caminhar.
Quando estamos reunidos e partilhamos seu pão.
Ele nos dá o seu amor e a sua paz.

É o meu corpo: tomai e comei.
É o meu sangue: tomei e bebei,
porque Eu sou a vida, porque Eu sou o amor!
Ó Senhor, faz-nos viver no teu amor.

2. Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar.
Em tudo o que nos legou, manifesta o seu amor:
Quem comer a minha carne e beber o meu sangue
permanecerá em Mim e Eu nele.

3. Sempre que este pão tomais e deste cálice bebeis
até que Ele volte sua morte anunciais.
Quem no mundo quer amar, é um membro do seu corpo,
nada o pode separar do seu amor.

4. Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar;
percorreu o seu país para a todo o povo falar:
revelou-lhe a salvação e falou-lhe de seu Pai;
proclamou a liberdade e o amor!

5. Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar.
no dia da grande Ceia, os pés aos seus Ele foi lavar;
“Sabeis o que Eu vos fiz. Eu que sou Mestre e Senhor
Eu vos dei o meu exemplo de amor!”

6. Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar;
foi tão grande o seu amor que na cruz Ele morreu;
foi tão forte o seu amor que da morte triunfou,
a todos quis libertar: ressuscitou!

7. Glória ao Pai que nos criou, glória ao Filho Redentor,
glória ao Espírito da vida que nos dá o seu amor.
Unidos por este pão que o Senhor transformou!
dêmos graças ao Senhor que nos salvou!

8. Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar;
quis nascer tão pobrezinho no presépio de Belém;
os pastores e os Reis Magos lhe trouxeram seus presentes.
pois sabiam que era o precursor da paz.

Sem áudio disponível